Download Free Designs http://bigtheme.net/ Free Websites Templates

Exposição fotográfica, produzida por professor e acadêmicos de Publicidade e Propaganda, retrata sentimentos de surdos na língua de sinais.  

A recepção do campus do Centro Universitário FIPMoc (UNIFIPMoc) ganhou um toque de personalidade com a exposição fotográfica "Mãos que Falam". O Ensaio fotográfico foi uma produção do professor e fotógrafo Thiago Botelho, com os alunos de Publicidade e Propaganda, do Laboratório de Publicidade e Propaganda (LaPP), em parceria com a Associação de Surdos de Montes Claros (ASMOC).

A comunicação se limita por meio da fala e símbolos que a representam. Para ir além, utiliza-se da arte para expressar sentimentos e ideias limitadas pela linguagem. Com isso, o trabalho artístico teve por objetivo quebrar o silêncio que separa pessoas surdas do universo audível, por meio da linguagem, conectando a partir da captura de fotografias em longa exposição.

“A maioria das pessoas não está apta de se comunicar com o surdo. Existe uma barreira que os separa do resto da sociedade”, disse o fotógrafo Thiago Botelho – autor da exposição. Segundo ele, as fotos foram feitas usando baixa velocidade de obturação. Com isso, o obturador da câmera permanece aberto durante um certo tempo, capturando a cena, que ao final congela-se em forma de borrão.  “O resultado, muitas vezes, é uma imagem ininteligível, mas que mesmo assim gera o interesse das pessoas em buscar entender o que ela retrata. Logo, a arte se sobrepõe à realidade”, revelou. Thiago Botelho contou que a maior pergunta que surge é: “por que as pessoas param para ver surdos se comunicando por meio de fotos, mas não param para tentar entendê-los no dia a dia? Essa é a reflexão que eu gostaria de gerar nas pessoas”, concluiu.

ASMOC é uma instituição filantrópica, legalmente constituída sem fins lucrativos e com os trabalhos realizados em prol da defesa dos direitos e qualidade de vida das pessoas surdas, sendo que todas as conquistas alcançadas foram por meio da parcerias e trabalhos voluntários, visto que a entidade não possui recursos próprios ou verbas para arcar com suas despesas.